quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

O Meu Pôr do Sol (ou Uma Declaração de Amor)

No último sábado fiz os preparativos para minha viagem esperada do ano: Ilha Grande. Entendi como um passo importante pra minha vida, já que seria a primeira vez que iria acampar na praia. Posso dizer com sinceridade que nunca fui muito chegado à praia, mas encarando de frente essa resistência e me apoiando no meu velho e otimista 'pelo menos', sabia que ia gostar.

É claro que não só pelo lugar, mas também pela companhia agradabilíssima daquela que faz minha vida mais feliz, mais epifânica...com mais sentido: Karine Duarte.
No dia seguinte aos preparativos, lá pelas 4 horas da manhã, chegamos na Rodoviária Novo Rio. Ensaiamos em comer alguma coisa, mas desistimos assim que chegamos na bancada da lanchonete. Cada passo, cada respirar, cada momento alimentava aquela minha alma faminta que era alimentada pelo amor mútuo que existe entre nós dois. Nada mais importava...Compramos as passagens e entramos no ônibus, rumo à Mangaratiba onde pegaríamos um barco até o Abraão e de lá até o Camping.

Tínhamos a certeza de que passaríamos momentos felizes e essa certeza não foi em vão. Aquela convivência de perceber o outro na sua mais fina intimidade, na sua maior certeza de que não somos nada perante à natureza foi primordial para que entendéssemos aqueles momentos e que refletíssemos sobre a vida, sobre nossos sentimentos...sobre tudo, enfim, que nos faz bem.

A certeza de que se existe inferno, nós transformamos em céu. De que se existe tristeza, a alegria prevalece.

Mudei muito nessa viagem. Aprendi muito. Desde comer isca de peixe até a gostar de cebola, mesmo que de forma não convencional. Aprendi o valor da vida e a perceber que meu porto seguro é lá e que ELA é lá (e meu porto seguro).

2 comentários:

karine disse...

Eu te amo...

e estou MAIS que feliz! Por tudo!

Andre Jenz disse...

Toda viagem nos muda JG. Sabia que Nietzsche era nômade? acreditava que não se acomodar fisicamente era um passo para ter um pensamento que não se acomoda, critica verozmente tudo...

E o que seria comer cebola de modo pouco convencional? haha

Abraços JG